quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Infinito


Agrada-me a ideia de Infinito
agrada-me pensar que pode haver algo que perpetua no tempo
que deixa a sua marca no espaço
e que se mantém
que se fixa
Agrada-me a ideia do "para sempre"
não a do "até que a morte nos separe"
nessa não acredito
Mas sim a ideia de que não muda
aliás que muda mas que fica
que não se silencia ao mesmo tempo que não se ouve
que está lá
que está aqui
que ficou
Julgo que é esse o fascínio pelas estátuas
pelos castelos
pelas ruínas
Para mim são as paisagens vazias de conteúdos
ainda sem edifícios plantados
sem centros-comerciais cultivados
Um ponto lá ao fundo
uma árvore
uma casa
uma pedra
e à volta o silêncio já perdido


Fotografia: Endlessly by Denis Olivier
in http://denisolivier.deviantart.com/
(Todos os Direitos reservados)

2 comentários:

pp disse...

Conheço um cantinho em marte...que tal....sem cabana sem vento....seria o planeta ideal (Verde)..

Tou brincar tbm partilho dessa tua ideia...são coisas que nos ficam cravadas na pele sem nunca termos tatuado nada..mas simplesmente entrenha-se...É bom.

jito Bzt

deKruella disse...

HUmmmm...esse fascínio por castelos ruinas e tal pode ter uma explicação...mais profundo...situada no passado de outros ;)