sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Sem pressas


Sem pressas arruma o que que durante anos levou a arrumar. Os mesmos gestos a ocorrerem nos mesmos lugares. As mesmas mãos que pegam, que limpam, que esfregam. As mesmas feridas de sempre.
No pensamento o vazio de quem não pensa. De quem já percebeu que não vale a pena pensar.
Os sonhos eram os de menina e esses rapidamente deixaram de ser sonhos para serem utopias. De utopias passaram a vazios. Mais um que lhe enche a cabeça de coisa nenhuma.
Sem pressas e com os passos decorados no pavimento do chão desvia-se dos móveis que sempre decoraram a sua vida. Um bom dote para a altura. Uma cruz para toda a vida. Desvia-se deles com a sensibilidade dos gatos mas nem os olha. Conhece de cor a posição que ocupam na sua cela. Esta casa que é a de alguém mas onde ela se sente presa.
Sem pressas e com as feridas de sempre senta-se hirta no sofá. Não ousa encostar-se. Não ousa descansar. Não ousa...
Sem pressas vai esperando que a vida lhe traga apenas uma surpresa. Apenas uma novidade. Apenas uma porta aberta.
Sem pressas continua a esperar.

Fotografia: s/título de Yuri Bonder
(Todos os Direitos reservados)

1 comentário:

pp disse...

.....Tu......

:) 1550