terça-feira, 26 de novembro de 2013

Uma ode a uma Avó...

Vi este texto e fiquei com o coração encolhidinho encolhidinho...

Não é um texto. É uma exposição clara do que é amar, do que é sofrer, do que é cuidar, do que é não compreender, não aceitar, não acreditar que a as pessoas saem da nossa vida porque alguma entidade supostamente superior as quer só para ela... que raio de entidade é essa que é só egoísmo?
Sim a família vem primeiro.
Então porque nos é arrancada de nós?
E sem aviso...
Estamos numa idade da vida em que dificilmente não perdemos alguém que nos é querido.
Eu perdi dois de rajada..
dez dias de distância...
sem aviso
sem eu saber como lidar com essa dor
com a dor dos que ficaram
só anos depois consegui encarar a minha própria dor
e ainda foram precisos mais uns poucos para a conseguir ultrapassar
para sempre na memória a frase da amiga
'primeiro doi muito, depois a dor vai atenuando e por fim fica a saudade... apenas a saudade'.
Não.
Fica sempre a dor.
Muita dor mas acrescida de imensa saudade.
E de repente 'Com eterna Saudade' faz todo o sentido.
E li as palavras da Sara e pensei em mim.
Pensei que se talvez tivesse conseguido escrever-vos uma carta assim teria sido mais fácil.
Li as palavras desta 'menina' tão grande e tão mulher e percebi que gostava de ter tido uma avó assim, de lhe sentir este amor e este carinho.
Não tenho.
Não tive.
Não faz mal.
Mas li estas palavras e percebi a dor...
Queria dar-lhe um beijinho na cabeça e sussurrar
... vai passar ... vai ficar tudo bem...
Anos mais tarde ela é capaz de dizer que Não. Que não passa.
Queria apenas colocar-lhe a mão no ombro e dizer-lhe que compreendo a sua dor.
Mas também não compreendo... não esta dor...
remeto-me ao silêncio... nada lhe digo...
penso não somos intimas
não faz sentido dizer seja o que for
mas dou-lhe o meu melhor sorriso
e baixinho... quase sem se ouvir...digo-lhe apenas
desculpa Sara... não tenho palavras... sinto muito... espero que passe... espero que fique tudo bem... espero que sim!


1 comentário:

Sara Almeida disse...

Já disseste, e obrigada.
Tal como se diz, é guardar os momentos bons, os fantásticos e os maravilhosos e agarrar-los com toda a força, dentes e unhas, para que fiquem sempre presentes.
Tem vezes que todos os actos da vida deviam ser acompanhados de um "explique a sua escolha/resposta" como nos testes. Enquanto não têm, temos mesmo que fazer as perguntas e responder-lhes por nós mesmos.
Lei da vida o tanas, é o egoísmo de alguém superior a nós, isso sim.
O teu beijinho chegou, em silêncio e devagarinho, e eu agradeço-te por isso, do fundo.