quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Por instantes


Por instantes tive-te na mão.
Não porque fosses coisa. Não porque fosses dado adquirido. Mas simplesmente porque o verbo Ser era conjugado na primeira pessoa do plural. Porque simplesmente éramos! E por esse motivo julguei ter-te na mão.
Não era bem na mão... era mais no colo.
Por instantes julguei ter-te no colo. Deitado sobre mim, aninhado em mim, junto a mim. Tinha-te ali à distância de um inspirar e sentia-te com a força de um sorriso.
E como era bom saber-te ali, perto, junto, dentro.
Por instantes julguei ter-te nos braços.
Julguei ter-te nos abraços, nos rodopios, nas danças, nas gargalhadas. Nas lutas desgrenhadas. Num porto de abrigo. Eras o meu ninho e no entanto era eu quem julgava ter-te nos meus braços. Talvez porque sempre que os abria eram os teus que vinham de encontro aos meus, eram os teus passos que se faziam ouvir e eu de braços estendidos esperava (e esperava sempre o tempo que fosse preciso) para sentir-te de novo.
Por instantes julguei ter-te no peito.
Quando era eu quem me deixava adormecer no teu depois de te teres saciado no meu. Julgava ter-te na união dos nossos peitos porque depois de unidos nada os fazia separar, porque os ritmos eram sincronizados.
Por instantes parei.
E solta de braços e colos, de mãos vazias em frente aos meus olhos que já não encontraram mais os teus percebi.
Por instantes percebi que foi um erro nos verbos.
Eu nunca te tive
tu nunca me tiveste
Mas por instantes amei-te
e por instantes amaste-me
até que o sonho terminasse
e até que cada um de nós
no seu mundo acordasse
...
e por momentos fui feliz!


Fotografia: Present to past by Sarah Bernhard
(All rights reserved)

4 comentários:

Dry-Martini disse...

A felicidade tem muito mais de momento que de palavra. Muito bonito o teu texto. Parabéns!

XinXin

Sandrine disse...

dry-martini: sem dúvida que sim!
Obrigada :)

Nikky disse...

Por instantes, TIVESTE essas coisas todas... Podes já não ter, mas tiveste. Triste é nunca ter tido.
E como diz muito bem o Dry-martini, a felicidade tem muito de momentos.

PP disse...

...Lindo.

jito